A preferida de Stephen King

Acaba de sair por aqui o 18º livro em português de uma escritora que muita gente até conhece de nome, mas nunca leu. Falo de Tess Gerritsen, uma das escritoras americanas preferidas do mestre Stephen King. Pena que O Fio do Bisturi (Harper Collins) seja um thriller médico do início da carreira de Gerritsen e não sirva de amostra fiel de seu trabalho.

Muito melhor é ler O predador, lançado no ano passado, mais uma das aventuras da dupla Maura Isles e Jane Rizzoli, as criações mais famosas da autora: uma médica legista misteriosa e uma detetive de origem italiana um tanto esquentada, que já extrapolaram as páginas dos livros se tornando a série de tevê Rizzoli & Isles (entrando na sétima temporada pelo canal TNT).

Mas, o curioso mesmo em relação à Gerritsen é sua capacidade de contar histórias diferentes sempre com as mesmas personagens. Claro que seus livros não a levarão a um Nobel de literatura, mas ela é uma das autoras mais vendidas nos EUA e até aqui no Brasil, o que já possibilitou que abandonasse uma carreira na área médica só para se dedicar aos livros.

Investindo numa linha não muito semelhante à de Stephen King, Gerritsen encontrou nos serial killers um farto material para tecer seus mistérios, pelo menos no início da carreira. Quando finalmente elaborou o caráter de suas principais personagens, achou também a fórmula mágica para extrapolar além das matanças psicóticas generalizadas.

Obviamente, não sai muito dessa “área de conforto” nos últimos anos. Mas, o que poderia ser a base da crítica de que seus livros são sempre iguais, acaba virando uma espécie de jogo com seus leitores fiéis, que sempre esperam para ver em qual enrascada ela vai colocar suas duas heroínas. E como elas vão se safar, claro.

Tess-Gerritsen-foto

Para uma tarde chuvosa ou um feriado prolongado na praia são livros quase perfeitos: divertidos, bem escritos, rápidos e que, se não deixam muito para trás quando terminam, proporcionam boas horas de lazer. E outra coisa difícil de acontecer com esse tipo de livro: muitos podem agradar também às mulheres, uma vez que a autora sempre coloca pitadas de romance em suas histórias

Para quem se interessa só pelas aventuras da dupla Rizzoli e Isles, a sequência correta de leitura dos livros já lançados aqui é: O cirurgião; O dominador; O pecador; Dublê de Corpo; Desaparecidas, O Clube Mefisto; Relíquias; Gélido; A garota Silenciosa; A última vítima e O Predador. Ainda saíram os thrillers médicos Vida Assistida; Corrente Sanguínea; Gravidade e O Jardim de Ossos. Sem contar mais três livros do início da carreira da autora: O Delator, Supostamente Culpada e O Fio do Bisturi, que fogem bastante de todo o resto.

Só isso já basta para colocar Tess Gerritsen no mesmo patamar de autores como Harlan Coben (mais de 20 títulos) e James Patterson (pelo menos 30) em número de livros editados no Brasil, assim, se você ainda não conhece o trabalho da autora, dê uma chance ao universo cheio de mistérios e serial killers de Gerritsen. Assim como Stephen King, tenho certeza de que você vai gostar.